Sobradinho-Bahia

Sobradinho-Bahia.jpg

Sobradinho é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a 09º27’19” de latitude sul e 40º49’24” de longitude oeste, a uma altitude média de 380 metros, ocupando uma área de 1238,923 km². Sua população em 2010 era de 22.000 habitantes. Faz parte da Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro, tendo o maior PIB per capita da RIDE, por abrigar a Usina Hidrelétrica de Sobradinho.

Presume-se, que este nome tenha originado em função de um pequeno sobrado localizado próximo a cachoeira, para operação do sistema de eclusagem, a qual era chamada de ora cachoeira do Sobrado ou cachoeira do Sobradinho.

Sobradinho.png

História

No dia 29 de março de 1549, aportava em Salvador, a comitiva de Tomé de Souza que viera assumir os destinos do Brasil, na qualidade de Governo Geral. Com ele veio Garcia D’ávila, precursor dos bandeirantes, que exercia o cargo de almoxarife do Reino de Portugal, com o sonho de se tornar um senhor feudal nas terras brasileiras.

Garcia D’Ávila prosperou, construindo, mais tarde a Torre de São Pedro de Rates. Sua filha Izabel de Ávila casou-se com Diego Dias, irmão de Belchior Dias, o sonhador das minas de prata. Belchior Dias, cunhado de Izabel de Ávila, foi primeiro bandeirante a percorrer a região de Sobradinho, em 1593, em buscas das sonhadas minas de prata. Nessa viagem encontrou índios Urucé, em Sento-Sé, os Galaches em Remanso, os Cariris em Juazeiro, os Massacará no Salitre e os Tamoquim em Sobradinho.

Ao retornar à Casa da Torre, o bandeirante descreveu o Vale do São Francisco, despertando em Garcia D’Ávila, o interesse em explorá-lo. No início do século XVII introduziu, no vale do São Francisco, os primeiros currais que deram origem aos povoados ribeirinhos.

Iniciava-se, assim, a exploração econômica do maior latifúndio do mundo cujas fronteiras a leste e oeste eram o Oceano Atlântico e o poente do atual município de Sento-Sé, Sobradinho fazia parte desse latifúndio.

Aos pés da cachoeira residia, no serrote da aldeia, hoje Vila São Francisco, a tribo Tamoquim, possíveis remanescentes de grupos humanos pré-históricos que deixaram impressos, nas serras próximas de onde vieram nascer as fazendas cujos vaqueiros usavam uma “estranha Flecha de Fogo” para caçar. Na linguagem Tupi-guarani, essas armas receberam o nome de Tatuí (Tatá = fogo, ui – flecha).

Na fazenda Tatuí, Garcia D’ Ávila deixou um casal de escravos, dez novilhas, um casal de equinos, um casal de cães, galinhas, porcos e sementes para a lavoura, como fizera com os outros currais que implantou na região.

Aos poucos, os índios Tamoquim foram se aproximando dos escravos deixados por Garcia D’ Ávila na fazenda Tatuí. Aprenderam a arte de criar gado e enfrentar conjuntamente a dureza da vida no sertão desassistido pela coroa portuguesa. Essa aproximação fomentou o surgimento de casamentos entre os vaqueiros da fazenda Tatuí, conhecidas na região como “Os gato” e os índios carinhosamente apelidados de “Moquim”.

A família Moquim-Gato fez prospera a fazenda Tatuí. Durante 373 anos, criou gado solto na caatinga, caçou, pescou e plantou, na vazante do rio, cultura de subsistência e cana de açúcar para fazer rapadura.

Essa mesma família viu, centenas de mineiros e garimpeiros subirem o Rio São Francisco, procurando ouro e minério diversos nas Minas Gerais, na época em que a mineração atingiu lugar de destaque na economia colonial, entre os anos 1696 e 1760.

Esgotaram-se as minas e os sertanejos da fazenda Tatuí continuaram se dedicando às mesmas atividades extrativistas e coletoras herdadas dos índios “Moquim” e pecuarista trazidas pelos colonizadores portugueses.

Site oficial da cidade