Santana-Bahia

Santana-Bahia.jpg

Santana é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se à latitude 12.9828 sul e à longitude 44.0578″ oeste, com altitude de 526 metros. Sua população estimada em 2005 era de 25.867 habitantes, distribuídos em 2006,97 km² de área. A cidade fica a 203 km de Barreiras, principal cidade do oeste baiano.

Santana.png

História

Tudo começou quando em 1553, D. João III doou a Garcia D′Ávila, protegido por Tomé de Souza, 60 léguas de terra da costa para o sertão baiano; Com a missão de desbravá-la e domesticar os índios, logo ele construiu um castelo e uma torre onde fica em Camaçari em Salvador/Ba, e hoje ainda se vê a torre dos D′ Ávila; Dali vigiava os mares e com fogos sinaleiros alertava as autoridades dos perigos, com isto foi ganhando prestigio, confiança e mais terras dos governantes, assim ele foi avançando sertão adentro, conquistando terras, invadindo aldeias indígenas, dizimando índios ou fazendo-os fugirem para o interior, longe da civilização; Enfim os D′Ávila foram retalhando os Tupis Guaranis e os Tapuias.

Em 1625 o quarto senhor da torre Francisco Dias D′Ávila herdou mais de 10 grandes fazendas com currais de gado. O Imperador sonhava com um caminho que ligasse Pernambuco a Minas Gerais através do sertão baiano, visto que o caminho pelo oceano se tornara um grande perigo pelos constantes ataques de corsários e piratas assaltando os navios, principalmente os mercantes da costa brasileira; a solução seria o caminho do gado.

Assim os D′Ávilas foram conquistando terras e mais terras no sertão baiano seguindo o desejo de Garcia, em forma de leque: Salvador — Monte Santo — Glória — Juazeiro, aí encontrando o rio São Francisco e construindo o portal de entrada para os caminhos do gado, e explorando o rio e suas margens passando por Pilão Arcado, construindo mais um curral em Barra, chegando por fim em Santana, na década de 70, no século XVII, fazendo aqui uma grande fazenda para o descanso do gado. Depois atravessou o rio São Francisco, formando mais um curral em Paratinga, dali seguiu as margens do rio cruzando Carinhanha e chegando em Minas Gerais. Estava feito o caminho do gado.

Entre 1670 e 1700 alguns colonos europeus se espalharam pelo interior da Bahia, principalmente holandeses e italianos, procurando zonas férteis de brejos para o plantio da cana-de-açúcar. Nesta época chegaram em nossa região segundo alguns antigos, mas nada oficial. Também nesta época começaram a surgir palhoças em Barra e depois em Santana. No final do século XVII, com a descoberta do ouro nas Gerais o movimento no caminho do gado intensificou-se com compradores de escravos, muares, viajantes e homens armados todos movidos pela febre do outro, e Santana era passagem obrigatória de Pernambuco a Minas, ou Goiás, Salvador, Minas; e alguns poucos ficaram na região admirados pelas terras férteis pelos brejos e a fartura de peixes.

Nascendo o século XVIII Dom Pedro I incumbiu Dom João de Alencastro, o governador, a instalar povoações no sertão baiano próximo ás margens do São Francisco seguindo o caminho do gado, aproveitando as pequenas aldeias, e pediu ao Senhor da Torre que doasse pedaços de terras para a igreja, pois era necessária a construção de missões
Em Santana, após meados do séc. XVIII teve também suas missões com os franciscanos realizadas onde hoje fica a fazenda missão do senhor Mizael Brandão.

Ali havia um grande curral para as doações para o Bom Jesus e onde os franciscanos catequizavam os índios e batizavam brancos e índios após pregação sobre a boa vivência entre eles. Conforme pesquisa no 1º livro de óbitos de Santana foi encontrado mais de 60% dos registros os nomes: Francisco ou Francisca de Jesus, Maria do Espírito Santo, Manoel do Espírito Santo, isso já no início do séc. XIX, batizados por franciscanos.

Site oficial da cidade