Ourolândia-Bahia

Ourolandia-Bahia.jpg

Ourolândia é um município brasileiro do estado da Bahia e está localizado a 416 Km de Salvador. Sua população estimada em 2018 era de 20.167 habitantes.

Ourolandia.png

História

Município criado em 1989, desmembrado do de Jacobina, cuja história decorreu da chegada de bandeirantes à procura de minas de ouro na região em princípio do século XVII.

Bandeirantes é a denominação dada aos sertanistas do Brasil Colonial, que, a partir do início do século XVI, penetraram nos sertões brasileiros em busca de riquezas minerais, sobretudo o ouro e a prata, abundante na América espanhola, indígenas para escravização ou extermínio de quilombos.

Segundo pesquisa de Carvalho Franco, a maioria dos bandeirantes eram descendentes de primeira e segunda geração de portugueses em São Paulo, sendo os capitães das bandeiras de origens europeias variadas, havendo não só descendentes de portugueses, mas também de galegos, castelhanos e cristãos novos, além de alguns casos de parentescos genoveses, bascos, sarracenos, napolitanos e toscanos, entre outros.

Compunham minoritariamente as tropas segmentos de índios (escravos e aliados) e caboclos (mestiços de índio com branco), normalmente chegando a, no máximo, vinte por cento do contingente total, e executando as tarefas secundárias da tropa, tal qual a manutenção dos mantimentos e cuidados dos animais de abate.

Informa Afonso d’Escragnolle Taunay, citando uma carta do jesuíta Justo Mancila, que a segunda bandeira, a de Nicolau Barreto, em 1602, foi composta por 270 portugueses, número elevado, considerando que São Paulo tinha poucos habitantes: “No ano de 1602, saiu de São Paulo a buscar e trazer índios, Nicolau Barreto com o pretexto de buscar minas e levou em sua companhia 270 portugueses e três clérigos, líderes religiosos usados para “catequizar” ou abrandar índios, logo em seguida, assassina-los e roubar suas terras”. Esta era a missão dos jesuítas e capitães de mato chamados de bandeirantes ou invasores de terras indígenas, cuja única finalidade era levar riquezas aos seus reis espanhóis e portugueses, parte dos despojos ficava para igrejas.

Darcy Ribeiro apresenta um panorama racial diverso, afirmando que a miscigenação com os índios era a regra na sociedade bandeirante, inclusive entre a elite, os “homens bons”. Nos primórdios, a estrutura familiar paulista era patricênica e poligâmica, formada pelo pai, suas mulheres indígenas com suas respectivas proles e os parentes delas. O casamento católico apenas se firmou mais tarde.

A maior bandeira de Manuel Preto e Antônio Raposo Tavares, ocorrida em 1629, era composta por 69 brancos, 900 mamelucos e 2 mil indígenas, demonstrando o enorme peso demográfico ameríndio naquele ambiente.

Além do português, os bandeirantes também falavam a língua tupi, língua esta que era por vezes a utilizada cotidianamente por eles. Foi com termos tupis que os bandeirantes nomearam os vários lugares por onde passaram, originando muitos dos atuais topônimos brasileiros, como Jundiaí, Piracicaba, Sorocaba, Taubaté, Guaratinguetá, Mogi das Cruzes, São Luiz do Paraitinga, Tatuapé etc.

Data Emancipação: 13/6/1989

Site oficial da cidade