O que fazer antes de locar um imóvel em Salvador?

O-que-fazer-antes-de-locar-um-imovel-em-Salvador.jpg

Para quem deseja alugar o primeiro imóvel é preciso tomar alguns cuidados, mesmo quando se trata de imóveis pequenos. Se você vai procurar uma kitnet é necessário estar atento a todas as cláusulas do contrato e outros fatores, continue a leitura e confira algumas dicas.

A inconstância do setor imobiliário, motivada pela atual fase econômica do país, pode garantir algumas ofertas. Portanto, reserve um tempo para escolher o imóvel que mais se adapta ao seu dia a dia. Uma busca mais ampla também permite negociar melhor o valor do aluguel. Antes de assinar o contrato, vamos fazer as contas. Verifique se o valor do aluguel do imóvel selecionado, somado ao IPTU e ao condomínio – no caso de apartamentos – não ultrapassa 30% da renda familiar. É importante manter um superávit em seu orçamento para roupas, alimentação, transporte e lazer. Verifique se o proprietário é realmente o dono do imóvel. É possível ter uma confirmação com um pedido de registo do imóvel alugado ou um contrato de compra e venda.

Para alugar o imóvel, o locatário deve ser maior de idade – 18 anos ou mais – e apresentar carteira de identidade, CPF, comprovante de residência e renda de imobiliária. Para funcionários do governo e funcionários com contrato formal, a prova de renda pode ser fornecida na forma de uma declaração de pagamento. Os trabalhadores autônomos ou autônomos geralmente são solicitados a fornecer uma cópia de sua declaração de imposto de renda ou extrato bancário mais recente e, se o inquilino não desejar divulgar seu imposto de renda, isso não é exigido por lei. No entanto, você precisará comprovar sua anuidade financeira de outra forma: com um extrato bancário ou comprovante de recebimento do aluguel, por exemplo, para cada contrato de aluguel, o dono do imóvel pode solicitar apenas 1 forma de garantia. Os mais comuns no mercado são: uso de fiança – sem custo para o locatário, depósito e fiança.

O fiador deve ter no mínimo 18 anos de idade, não deve ter restrição de registro (nome sujo), ter renda pelo menos três vezes superior ao aluguel e ser dona de algum imóvel. A maioria das empresas imobiliárias ainda exige a fiança para possuir um imóvel na mesma cidade da residência a ser alugada, embora essa seja uma prática inexistente na lei do arrendamento (Lei 8.245). Como parte do depósito, o inquilino paga à conta do proprietário um valor correspondente ao aluguel de três meses. No final do contrato, deixando o imóvel arrumado, fica tudo com uma correção monetária. A fiança é firmada diretamente com a seguradora. Nesse caso, é pago anualmente um valor não reembolsável, que pode variar de um a dois aluguéis.

Antes de entregar as chaves, deve ser realizada uma inspeção visual que permita ver os defeitos a olho nu. Mas fique sempre atento: alguns contratos são muito gerais, alegando que todos os imóveis estão em perfeitas condições. Portanto, vale a pena fazer um levantamento com fotos e vídeos, apontando todos os buracos na parede, arranhões no chão e até problemas com fechaduras, portas e janelas. Certifique-se de guardar todo o material até que a propriedade seja devolvida. O inquilino é responsável pela deterioração do estado causado pelo uso impróprio. Os chamados defeitos redibitórios – aqueles problemas ocultos que já existiam com a propriedade antes da entrega das chaves – devem ser corrigidos pelo proprietário. Problemas ocultos, como os da canalização ou da rede elétrica, são sempre identificados como de uso contínuo e devem ser comunicados até ao prazo contratual máximo que varia consoante a localização.

O contrato deve representar todas as negociações realizadas entre as partes envolvidas,  incluindo o tempo de estadia no imóvel e o relatório de inspeção na entrada. Durante o período de vigência do contrato, o proprietário não poderá reaver o imóvel alugado. O locatário pode devolvê-lo, pagando uma multa proporcional à duração do contrato. No entanto, costuma-se pedir o valor de três meses de aluguel. Portanto, vale a pena negociar a permanência mínima com o locador para que ele seja liberado da penalidade após algum tempo. O locador e o locatário devem assinar e confirmar a assinatura no contrato. No caso de apartamento, o locatário recebe carta da imobiliária autorizando a mudança. Este, por outro lado, deve seguir as normas internas do condomínio.

Por lei, o aluguel só pode ser reajustado uma vez por ano para corrigir a inflação cambial. Se o aluguel estiver desatualizado, o locador, ou mesmo o locatário, pode solicitar uma revisão a cada três anos. Nesse caso, a solução ideal é que as partes cheguem a um consenso. Para habitação, preste atenção ao valor do condomínio. É proibida a transferência para o locatário das despesas extraordinárias do condomínio, ou seja, relacionadas com a implementação de benfeitorias no edifício, como o alargamento da garagem, piscina ou zona de convívio. O inquilino é obrigado apenas a arcar com os custos de manutenção, como pintura e manutenção dos elevadores.

Agora que você já sabe o que deve olhar antes de procurar casas para alugar em Salvador ficou mais fácil não cair em armadilhas e nem ter dores de cabeça no futuro. Essas dicas facilitam muito, principalmente quem está a procura do primeiro imóvel.

Gostou deste artigo? Compartilhe-o em suas redes sociais para que mais pessoas saibam o que fazer antes de locar um imóvel!