Muritiba-Bahia

Muritiba-Bahia.jpg

Muritiba é um município brasileiro do estado da Bahia, distante em 114 km da capital, Salvador. Faz parte da Região Geográfica Imediata de Cruz das Almas. Possui uma população estimada em 30.585 habitantes e uma área de 89,311 km². Tem proximidade com o Rio Paraguaçu e faz divisa com os municípios de São Félix, Governador Mangabeira, Cachoeira e Cruz das Almas.

Origem do nome

De acordo com o livro História e Estrela de Muritiba, do muritibano Anfilofio de Castro, o nome teve origem por causa da existência abundante, naquela época, de uma palmeira chamada Boritiba, espécie encontrada desde o Pará até São Paulo, conhecida por buritizeiro, muriti, muruti e pissandó. Redundando na corruptela Moritiba e Muritiba. Entretanto, no livro O Tupi na Geografia Nacional, o antropólogo Theodoro Sampaio, escreve que Muritiba é uma variação deturpada do vocábulo indígena merutyba, que significa o mosqueiro ou mosca em abundância. No brasão da cidade há quatro torreões num escudo azul semeado de moscas de prata como prova da fertilidade do solo muritibano e abundância de fruteiras, com destaque para a jaca, nome pelo qual a cidade ficou por muito tempo conhecida (“Cidade das Jacas”).

Muritiba-Bahia.jpg

História

Muritiba tem início com a vinda de exploradores e jesuítas da Companhia de Jesus em 1559, que avançaram nas regiões de Cachoeira e São Félix. Posteriormente, ao subirem a serra às marges do Rio Paraguaçu, fundaram um templo e um convento dando origem ao povoado de Muritiba.

Muritiba teve grande contribuição na produção do fumo, produto agrícola destinado ao mercado consumidor externo e interno. produto esse que “segurou” as balanças comercias baiana entre o Segundo Império Brasileiro (1840-1889) e na primeira metade do século XX, como mostra o artigo de Gustavo Acioli (A ASCENSÃO DO PRIMO POBRE: O TABACO NA ECONOMIA COLONIAL DA AMÉRICA PORTUGUESA).

A cidade serrana, também como é conhecida Muritiba, teve sua participação do envolvimento do Brasil na Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Isso se dá pela região ter muitas fabricas de fumo, como era o caso das demais cidades do recôncavo da Bahia, pois os donos dessas fabricas eram de origem germânica e simpatizavam com o Eixo, no caso de Muritiba as duas principais fabricas de fumo são: Pimentel e Dannemann, essa ultima que tinha sua cede em Salvador e os seus donos eram Alemães, acabaram sofrendo graves perseguições nas cidades do recôncavo, por conta de uma serie de ataques da marinha da Alemanha nazista que torpedearam embarcações da marinha mercante brasileira. logo os admiradores, simpatizantes e alemães vão ser vistos como culpados e traidores, sofrendo serie de ataques e prisões. em Muritiba houve comoção da população acompanhado de grande agitação popular contra os alemães. (A Bahia na Segunda Guerra Mundial, Consuelo Novais).

Já em meados do século XX, Muritiba-BA vai ter o primeiro automóvel a ser fabricado e montado no Brasil, pelo torneiro mecânico Otávio Tosta. Isso se deu pelo fato da política econômica nacional ter uma postura voltada aos produtos importados e não fabricados no Brasil, isso muda com a política que favoreceu as transacionais e multinacionais no governo de JK. O carro era bem simples, com apenas dois acentos, rodas de madeira com um motor de um cilindro inventado , fabricado no país e não importado, o que da à característica de ser o primeiro automóvel a ser fabricado de fato no Brasil.

Muritiba passou à categoria de Vila em 8 de agosto de 1919, mediante Lei 1.349 proferida pelo então Governador da Bahia, Antonio Muniz Sodré de Aragão. Três anos depois, no dia 3 de agosto de 1922, no mandato do Governador José Joaquim Seabra, elevou-se à categoria de cidade.

Seus primeiros moradores participaram ativamente das lutas pela independência da Bahia, com destaque para o Major José Antônio da Silva Castro, avô do poeta Castro Alves, que comandava 700 homens no Batalhão dos Periquitos, entre eles uma mulher, Maria Quitéria, heroína da independência.

Site oficial da cidade