Lafaiete Coutinho-Bahia

Lafaiete-Coutinho-Bahia.jpg

Lafaiete Coutinho é um município brasileiro do estado da Bahia, Sua população estimada em 2017 era de 3.997 habitantes.

Lafaiete-Coutinho.png

História

O município foi criado com territórios do distrito de Três Morros e com parte de territórios dos distritos de Lajedo do Tabocal e de Maracás. Desmembrado de Maracás, com a denominação de Lafayette Coutinho. A cidade antes era conhecida como Baixa Alegre, devido ao caráter alegre e festeiro de seus moradores, sendo comum a profusão de festas como a do Reisado, a do padroeiro São Roque, as de São João e vários bailes, inclusive atraindo moradores das localidades vizinhas. E quando não mais tinham motivos para comemorar, os inventavam. Junto ao potencial festeiro da chamada Baixa Alegre vivia ali uma comunidade fanaticamente religiosa.

Eram em maioria católicos romanos que não aceitavam na comunidade, outras religiões ou outras interpretações de sua religião. A chegada de famílias protestantes desencadeou, juntamente com a chegada de mais uma missão de Bispos católicos romanos, as chamadas “Queimas de Bíblia”. A primeira foi realizada em 1940 e a última em 1984; os Bispos mandavam botar em frente à Sé Católica todas as Bíblias protestantes e lhes tocavam fogo. Apesar da alegria e da fé do povo de Baixa Alegre, além destes conflitos a comunidade passou por tempos de dificuldades. Sêcas como as de 1937, 1938 e 1940, contribuíam.

A água precisava ser negociada com a família Lopes, em cujas terras ficava a fonte mais abundante e menos distante da comunidade, a maioria dos empregados vivia como diaristas (bóias-fria). No início da ocupação das terras municipais, a economia girava em torno de lavouras de Café, Mamona, Fumo e Farinha de Mandioca. O escoamento dos produtos era feito através da estrada de ferro Nazaré das Farinhas/Jequié, inaugurada no início do século, com parada obrigatória na Estação do Baixão, onde tropeiros se reuniam para embarcar suas mercadorias que também era parada para movimento de passageiros e para a comunicação através dos correios.

Mais tarde Baixa Alegre teve seu nome mudado para Vila dos Três Morros (Morro Alto, da Cruz e do Sabino), devido a sua situação geográfica, como distrito de Maracás. Logo depois foi desmembrada de Maracás, emancipando-se politicamente a 20 de Fevereiro de 1962, na gestão do governador Juracy Magalhães, pela lei número 1619, publicada no Diário Oficial do Estado em 01 de Março de 1962.

Seu topônimo é uma homenagem ao médico paraibano radicado desde os tempos de estudante de medicina, em Salvador, e depois professor catedrático da Faculdade de Medicina da Bahia, Lafayette Coutinho de Albuquerque, (nascido em 12 de dezembro de 1906 e casado desde 1934 com a baiana Maria Francisca de Araújo Góes (Dona Chiká, falecida em 01 de novembro de1994 ) com quem teve, em Salvador, uma filha (1937) Lenise, de quem teve dois netos, Lafayettinho e Cristina), secretário de agricultura e depois secretário de segurança do Estado da Bahia, falecido inesperadamente na sua casa da Barra, em Salvador, aos 52 anos, de infarto fulminante, aos 6 dias de setembro de 1959. O bairro centro é o mais velho da cidade de Lafayette Coutinho.

Site oficial da cidade