Fátima-Bahia

Fatima-Bahia.jpg

Fátima é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a uma latitude 10º36’00” sul e a uma longitude 38º13’00” oeste, estando a uma altitude de 340 metros. Sua população estimada em 2013 era de 19.524 habitantes. Fica situada no agreste baiano, região de transição da zona da mata para o sertão.

Fatima.png

História

Desbravadores corajosos e ansiosos para cruzarem paisagens sem rotas e avançarem na caatinga inóspita rumo ao sertão da Bahia, deram origem ao município de Fátima, ainda em fase embrionária, bem como a maioria das cidades do nordeste da Bahia. Vale lembrar que a ocupação e povoamento, através das concessões de sesmarias como meio de distribuição de terras, da pecuária como meio de expansão para o interior e da utilização da produção de alimentos como garantia de auto abastecimento e fixação do homem à terra, muito contribuíram para a agregação de pessoas e a consequente formação de municípios.

As possessões da família do português Garcia d’Ávila, chamadas “Casa da Torre”, foram responsáveis pelo desbravamento da região semiárida baiana, inclusive, do território que resultaria, mais tarde, no município de Fátima. Com a exploração de rotas realizadas por vaqueiros desta família, por volta de 1710, o número de currais destinados à criação do gado foi aumentando.

As terras do Bom Conselho, atual município de Cícero Dantas, estavam na relação de bens da Casa da Torre que, ao todo, representava cerca de 340 léguas de terras às margens do Rio São Francisco e seus afluentes. Posteriormente, os herdeiros de Garcia D’Ávila venderam algumas terras que, com o passar dos anos, chegaram às mãos de Francisco Borges de Santana, comprador da Fazenda Laje; seu irmão Simão Borges, que se tornou proprietário da Fazenda Penhas; Ângelo José de Souza, o “Ângelo Lagoa”, que adquiriu a Fazenda Boa Vista; Antônio André, comprador de mais propriedades, e muitos outros fazendeiros, todos fatimenses natos.

Graças ao percurso de boiadeiros, tropeiros e transeuntes surgiu a Estrada Real, que começava em Bom Conselho, passava pelo tanque do Sítio, localizado em Fátima, depois por Adustina, Paripiranga, terminando no Estado de Sergipe. Nessa época, muitas casas foram construídas para facilitar o percurso dos donos de tropas, que precisavam proteger seus familiares dos ataques de bandidos e, principalmente dos cangaceiros comandados por Lampião.

No início da década de 20, com o território bem mais ocupado, o fluxo de pessoas que transitavam pela Estrada Real era grande, já existindo alguns domicílios. Durante muito tempo, a casa de “Seu Né André”, que ficava na encruzilhada do tanque da Nação e próxima ao tanque do Sítio, serviu como ponto de hospedagem e descanso para os passageiros.

A antiga estrada ainda existe, mas com um cenário bem diferente: uma mistura de gente, carros, motos e cavalos em meio à paisagem. Onde outrora existia apenas mato, ruído de animais e ranchos improvisados para os tropeiros e caixeiros viajantes, está a Rua da Olaria. É o inicial de uma história. Uma interminável história

Site oficial da cidade