Camacan-Bahia

Camacan-Bahia.jpg

Camacan ou Camacã é um município do estado da Bahia, Brasil. Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2018, era de 31.968 habitantes.

A palavra Camacã se origina da classe linguística Kamakã, do tronco macro-jê. Maria Hilda Paraíso, em seu trabalho Caminhos de ir e vir e caminho sem volta: índios, estradas e rios no Sul da Bahia, de 1982, subdivide os Kamakã em outros grupos como os Mongoyó, Kutaxó, Menian e Massacará.

Camacan.png

História

A história do município está diretamente ligada à expansão do cultivo do cacau. Segundo a tradição memorialista da região, o vale do rio Panelão começou a ser desbravado no ano de 1889, quando algumas famílias de Canavieiras, Bahia, passaram a buscar novas terras para o plantio de cacau por dois motivos principais: primeiro, por força das graves cheias do Rio Pardo que comprometiam a produção agrícola de Canavieiras e segundo, pelo declínio e desaparecimento dos diamantes do rio Salobro, tornando primordial a necessidade de novas fontes de produção.

O distrito foi criado em 1938 com a denominação de Vargito e passou a ter sede em Camacã a partir de 1953, integrando o município de Canavieiras até ser emancipado, pela Lei Estadual nº 1.465, de 31 de agosto de 1961, com a denominação de Camacã.

Os rios Panelão e Panelinha: segundo a tradição oral, essas denominações vem do encontro destes dois rios que, fisicamente, tem um aspecto que dá a ideia de um “panelão”, daí terem sido batizados com estes nomes.

O primeiro foco da vassoura de bruxa em Camacã foi verificado exatamente na fazenda do Prefeito, o maior produtor de cacau do município, em 1989. Luciano José de Santana era considerado o maior produtor individual de cacau, não só em Camacã, mas, no mundo. O conjunto de suas propriedades alcançava grandes marcas de produção anuais, aproximando-se de 100 mil arrobas de cacau em amêndoas, na década de 1980.

Expedições da família Ribeiro

De acordo com a tradição memorialista, uma das famílias de Canavieiras que buscavam novas terras para o plantio de cacau, foi a de Leandro Ribeiro. Na realidade, a iniciativa de incursão na mata não foi do próprio Leandro, mas dos seus filhos e netos, nos últimos anos do século XIX. Do casamento com sua esposa, Felipa, o casal teve alguns filhos, entre eles João Elias Ribeiro. Nascido na fazenda Lagos, em Canavieiras, João Elias acompanhou o processo de expansão da cacauicultura e, mais ainda, experimentou as devastações provocadas pelas cheias do Pardo na propriedade de sua família. João Elias Ribeiro, sentindo a necessidade de melhores terras para expansão do cultivo de cacau da sua família, organizou uma expedição para o final do ano de 1888, e início de 1889, aproveitando assim o verão e as melhores condições do clima. O objetivo dessa empreitada era reunir 15 homens para subir de canoa o Rio Pardo até a confluência do Rio Panelão, semeando algumas sementes de cacau naquelas terras mais elevadas, protegidas de enchentes. Porém, João Elias Ribeiro adoece no período da expedição e transfere o comando desta para seu filho mais velho, Manoel Elias Ribeiro, que tinha apenas 19 anos em 1889. Para acompanhá-lo, pede a seu outro filho, Antonio Elias Ribeiro, com 16 anos, que embarque junto com o seu irmão e os outros 15 homens nessa jornada.

A marcha durou pouco mais de trinta dias e os expedicionários retornam à Fazenda Lagos com o sentimento de êxito. Em 1894, João Elias Ribeiro com a saúde recuperada, retorna com seus dois filhos, Manoel e Antonio, para verificar os resultados da primeira incursão. Comprovada a fertilidade das terras, a família Ribeiro abre as primeiras roças de cacau nesta região, ao longo do vale dos rios Panelão e Panelinha. O local da confluência do rio Panelão com o rio Panelinha passou a se chamar ‘Vargito’, por conta das vargens (várzeas) características da localidade, inspirando o nome de uma nova linhagem daquela família, adotado pelo médico João Ribeiro Vargens (filho de João Elias e irmão de Manuel e Antônio Elias Ribeiro). Vale lembrar que João Vargens foi intendente em Canavieiras entre os anos de 1920 e 1923 e chefiou um grupo político na região.

Camacãs

De acordo com a tradição oral e a memória oficial do município, no período anterior à chegada dos plantadores de cacau, a área era habitada pelos índios da etnia Kamakã. O pesquisador João da Silva Campos confirma a vertente de que os Kamakã residiam neste local. Desse grupo étnico originou-se o nome da cidade. A força da economia cacaueira foi significativamente superior à dos povos indígenas, como os Kamakã, que por se colocarem no caminho da propriedade e da monocultura dos cacauais, foram vítimas da depredação cultural e do extermínio.

Povoamento do Vargito

Em 1914, a devastação provocada pelas cheias do rio Pardo marcou um novo fluxo migratório para o Vargito. Novas famílias dirigiam-se até a região para plantar cacau e, consequentemente, iam circunscrevendo a área povoada apenas naquela localidade. A localização geográfica de Camacã foi um pouco afastada do Vargito e, só mais tarde, ocorreria o seu povoamento. Relatos orais levam a crer que o Doutor João Vargens estimulou o desenvolvimento de um núcleo urbano na sua Fazenda Camacã, contribuindo para cessar o desenvolvimento do Vargito. Entre 1920 e 1940 houve o desenvolvimento e a sedimentação do plantio de cacau no território de Camacã. Famílias de Canavieiras e de outras localidades expandiram suas plantações para terras cada vez mais distantes e férteis. No final da década de 1940, o local despontava como promissor. Contudo, as autoridades canavieirenses não demonstravam muito interesse no desenvolvimento urbano de Camacã. A partir de 1953, com a elevação à distrito de Canaveiras, a revolta contra a administração municipal ganhou força, uma vez que ainda não havia água encanada, calçamento e rede elétrica. Camacã possuía nada mais que poucas casas de madeira. O censo demográfico realizado em 1960 pelo IBGE já apontava Camacã com 19.698 habitantes.

Site oficial da cidade