10 Bairros mais violentos de Salvador

10-Bairros-mais-violentos-de-Salvador.jpg

Confira quais são os Bairros mais violentos de Salvador. Vinte bairros de Salvador se revezam na lista dos dez mais violentos da capital nos últimos seis anos, segundo dados de homicídios da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). Mas três deles vêm, nos últimos dois anos, se revezando no pódio como os três lugares onde há mais pessoas vítimas de assassinato na capital.

Bairros mais violentos de Salvador

1-Paripe – 28

2-Lobato – 26

3-São Cristóvão – 21

4-Itapuã – 20

5-Cajazeiras – 20

6-Liberdade – 19

7-Mata Escura – 17

8-Valéria – 16

9-Fazenda grande do retiro

10-Tancredo Neves

Paripe liderava o ranking, com 28 assassinatos. Depois vem Lobato, com 26, mesmo número de 2015, quando o bairro foi campeão. Em terceiro lugar, está São Cristóvão, com 21 casos – dois a menos que em 2015. Desde 2011, quem mais esteve à frente no ranking foi Paripe. Lobato figura entre os dez mais violentos.

Para o titular da 5ª Delegacia (Periperi), Nilton Borba, a falta de infraestrutura em Paripe e Lobato – e no Subúrbio, como um todo – somada ao alto contingente populacional – cerca de 250 mil habitantes nos dois bairros, dificulta a ação da polícia e facilita a atuação do tráfico. “É uma área com muitas invasões. Há ruas que não entram carros e as incursões precisam ser a pé. A geografia e essa alta densidade de população são propícias ao tráfico e a uma marginalidade mais perigosa”.

Ele também destaca a disputa atual pelos pontos de tráfico de drogas no Subúrbio. “Essas regiões é onde há a maior disputa, principalmente em Santa Luzia do Lobato. O Bonde do Maluco está brigando com outras facções pelo domínio”, diz, ressaltando que o Subúrbio reduziu em 36% os homicídios comparados a 2015.

São Cristóvão, na Área Integrada de Segurança Pública (Aisp) de Itapuã, ocupa o terceiro lugar na lista, com dois assassinatos a menos do que em 2015. Nos últimos seis anos, o bairro sempre esteve entre os três mais violentos. O pior ano foi 2013, quando foram 28 homicídios. “Há áreas bem complicadas como o Planeta dos Macacos, o conjunto Yolanda Pires, a Estrada Velha do Aeroporto e Cassange. Em Cassange são desovas, porque lá é área rural”, explica o delegado Antônio Carlos Santos, titular da 12ª Delegacia (Itapuã), responsável pela área.